Madri fatura milhares de euros por causa da falta de educação dos moradores

LUIZ FERNANDO TEIXEIRA

DE MADRI

Madri placa
Prefeitura fez campanha ao longo de Madri Crédito: Luiz Fernando Teixeira

Caminhar pelas ruas de Madri pode ser uma experiência enriquecedora para um turista, já que a cidade respira história e cultura. Porém, é preciso estar sempre atento para onde os pés pisam na capital espanhola, por conta do hábito que os moradores da cidade têm de não recolher os excrementos deixados por cães de estimação das calçadas.

Em 2016, 48 madrilenhos foram multados em 701 euros cada por não recolherem o cocô que os bichos fazem na rua, já que desde 2009 a prefeitura aprovou uma lei que determina que “quando os excrementos de cães e outros animais sejam depositados na via pública, espaços públicos, parques e demais zonas verdes, a pessoa que leve o animal está obrigada a providenciar seu recolhimento e limpeza imediata, assim como seu depósito em lugares destinados a tal”.

Já que os moradores cagaram e andaram para a lei – na verdade, continuaram andando despreocupadamente com seus cães, que continuaram deixando “lembrancinhas” nas ruas à espera do pé de alguém – no ano passado a prefeita Manuela Carmena resolveu que era necessária uma ação de choque: um programa piloto que previa a multa para quem cometer uma infração grave por sujar a rua – o que inclui quem deixa o animal de estimação cagar sem regra.

Desde a implantação do novo método de punição, 2.314 pessoas foram multadas por sujar a rua no total, e as infrações também punem quem urina, grafita ou deixa lixo em via pública. A prefeitura estabeleceu também um programa piloto que substitui o pagamento em dinheiro por serviços de limpeza das ruas de Madri ao longo de três finais de semana. 50 pessoas fizeram parte do teste, sendo que 20% destas foram punidas por conta do mau cuidado com os excrementos dos bichos; 42% por urinar na rua; 26% por deixar lixo em via pública; e 12% por grafite.

Se o programa que alivia os bolsos dos contribuintes não existisse, a prefeitura de Madri teria recolhido 1,6 milhão de euros apenas por conta da falta de educação de parte de seus moradores. A capital espanhola é a principal cidade de um país com o 26º melhor IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) do mundo, de acordo com os dados de 2015 da Organização das Nações Unidas.

 

Luiz Fernando Teixeira é jornalista e participa do “Jornalismo sem Fronteiras”, que leva jornalistas e estudantes de comunicação a Madri para um mergulho de 10 dias no trabalho de correspondente internacional.

Related Posts


Como fotojornalistas podem se proteger em ambientes de risco

Onde quer que trabalhem, fotojornalistas tendem a se destacar. O equipamento que usam faz com que sejam fáceis de detectar em uma multidão. As imagens que produzem também chamam atenção e, em alguns casos, podem ser um perigo. Centenas de profissionais da mídia são forçados a fugir de sua pátria para evitar intimidação, tortura ou prisão por […]

17.08.2017

Corridas de drones crescem na Argentina com melhores pilotos do mundo

País vizinho ao Brasil investe no esporte há dois anos e pode ganhar em breve um espaço físico para treinos.

14.08.2017

Por que jornalistas precisam de conhecimentos básicos de programação mais do que nunca

Saber como usar dados para reportar histórias continua sendo uma habilidade em demanda para jornalistas em todo o mundo, disseram especialistas no 12º Congresso de Jornalismo de Investigação da Abraji. O evento contou com mais de 10 oficinas, painéis e palestras sobre os últimos desenvolvimentos no jornalismo de dados, bem como muitos conselhos para aqueles que estão […]

10.08.2017

Comments


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *