Saltear al contenido principal
Entre em contato: +55 11 95133-2600
Aventuras E Lições De Uma Correspondente

Aventuras e lições de uma correspondente

LARISSA ALBUQUERQUE

BUENOS AIRES

Memórias e reflexões de Mônica Yanequiew, experiente jornalista e correspondente

Mônica Yanequiew, jornalista com uma vasta carreira como correspondente. Com pouco mais de 20 anos de carreira, a profissional já cobriu o Oriente Médio, América Latina, principalmente Buenos Aires, e Washington. Atualmente ela é correspondente freelancer em Buenos Aires e escreve para todo o mundo. 

A correspondente começou sendo um “quebra galho” Depois de alguns anos de experiência apenas como jornalista, a “jogaram” para cobrir Buenos Aires, pois não havia profissional para o trabalho. Isso porque acharam que ela tinha relações (amorosas) no  país que, na verdade, já haviam sido cortadas. Mesmo assim ela foi. Esse acaso mudou a vida da profissional, e a tornou uma das maiores correspondentes do Brasil. 

Podemos definir Mônica como uma grande contadoras de histórias. Até porque, com uma bagagem repletas de diferentes lugares e acontecimento não poderia ser diferente. 

Contato Direto

Uma de suas coberturas foi na União Soviética (na época, o país Georgia acabara de declarar independência da URSS). Mônica precisava entrar no território de Georgia por helicópteros russos e para isso precisava se comunicar com um general soviético, mas ele falava um idioma que ela não dominava na época. A jornalista ficou dependente de um tradutor. Essa dependência a limitou, pois o fixer não traduzia as coisas que a correspondente pedia. O general não autorizava a entrada da jornalista do Brasil e o tradutor não queria insistir na situação, se dava por vencido. Mas Mônica não, mesmo sem o contato direto com o militar, ela conseguiu embarcar em um helicóptero russo. Isso porque um de seus sobrenomes é Yanequiew, que parece derivar do soviético. A jornalista o mencionou, e feito, conseguiu adentrar no território proibido. E aasim, ela aponta, como a falta do contato direto atrapalha um correspondente. Dominar o idioma é fundamental. 

O “sequestro”

Iraque, a embaixada brasileira estavam tentando negociar a saída dos jornalistas brasileiros. No caso em questão, eram dois grupos de jornalistas em cada voô, e Mônica ficou no último. “Fui a embaixada publiquei minha última nota, sai e peguei um taxi”- na época, que não existia a facilidade da internet, os jornalistas tinham que relatar os acontecimentos pelos telefones das embaixadas. “Até o aeroporto era uma caminho muito simples”, disse Mônica. Mas ela percebeu que não o carro não estava no trajeto certo. A jornalista informou mais uma vez o endereço, e o motorista mostrou que havia se enganado, e continuou viagem dessa vez para o destino certo. Foi que pensou Mônica. Escurece, e o caminho começa a ficar estranho. Ela percebe que começam a passar por campos de treinamento. Então ela confirma de novo o endereço, tenta se comunicar com o motorista. Percebe que há algo de errado, e suplica ao motorista, ele não reage.“Para já o carro”, ela gritou ao homem. A reação dele foram gestos que mostravam ameaça a vida da jornalista. Confusa e com medo ela não sabia se era um sequestro ou um mal entendido, mas sabia que precisava sair dali. Depois de pensar em estratégias capciosas. Ela golpeou o motorista, e conseguir sair do automóvel. Até hoje não sabe do que se tratou esse episódio, se foi proposital, ou engano. 

A importância da imagem

“Entrar com câmera é diferente, a imagem é importante”. Até porque a imagem valida a fala, segundo a correspondente. Em um episódio, também no Oriente Médio, a imagem foi muito importante.  Havia uma alerta de duas bombas que iriam explodir. Mônica foi cobrir viu e relatou toda a cena, as duas bombas realmente explodiram. Mas posteriormente o governos notificou que havia apenas uma boma. Mas a jornalista lembrava que não tinha sido assim, e insistiu em sua versão. O cinegrafista que a acompanhava creditou o relato de Mônica já que gravou as duas bombas. “A imagem tem um peso”

Diferentes acessos na América Latina e no Oriente Médio

Mônica relata que é muito diferente cobrir América Latina e Oriente Médio. A diferença está no acesso ,segundo ela. Os contextos são diferentes .Alguns veículos que são reconhecidos pela América Latina, são praticamente inexistentes no Oriente Médio. “ Se você chega no Oriente Médio e fala que é do O Globo, ninguém se importa”, conta Mônica. É mais fácil ser creditada, e por consequência trabalhar como jornalista correspondente na América Latina. Além disso, “as regras são diferentes nas duas regiões”. Na América Latina não há complicações de documentos, a maioria dos países não pedem visto. O que já acontece no Oriente Médio. A jornalista, inclusive, já burlou uma dessas regras para cobrir um território, a Síria.” Quando acontecia a guerra de Iraque tentei entrar na Síria, fui até o Líbano fazer uma nota com um deputado, e comentei da minha vontade de ir a Síria. Ele disse que estava indo para Damasco (2 horas de carro). Expliquei para ele que não tinha o visto, e ele disse: não se preocupe entre no carro.” Conclusão da história: eles passaram a fronteira sem ninguém reparar pois estavam em uma carro de deputado. Essa foi uma situação bem perigosa e não teria acontecido na América Latina, já que não apresenta tais obstáculos. 

A mulher de mil e uma histórias fecha a conversa dizendo: “Acredito que temos que fazer o que gostamos. Eu gosto disso. Se pedissem para eu viajar amanhã para cobrir algo eu iria na hora”.

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *