Saltear al contenido principal
Entre em contato: +55 11 95133-2600
A Rejeição à Ditadura E O Apoio A Um Desfile Militar

A rejeição à ditadura e o apoio a um desfile militar

Como entender uma nação que viveu o período ditatorial mais sanguinário da América do Sul, indo às ruas de Buenos Aires para assistir a um desfile militar? 

Rafael, que preferiu não revelar seu sobrenome e presencia o evento há décadas afirmou: “Se trata de um dia importante para todos, civis e militares. Um dia para não haver separação entre estes.”

LETÍCIA TIOSSI

DE BUENOS AIRES

Ditadura argentina (1976-1983)- Contexto Histórico:

Em meio à tensão ideológica do período da Guerra Fria, uma articulação político-militar se concretizou entre países latino americanos. Articulação esta chamada de Operação Condor, onde, Argentina, Uruguai, Chile, Paraguai, Bolívia e Brasil participavam.

Na teoria, o objetivo era o combate de organizações político-revolucionárias de orientação comunista, fazendo uso do compartilhamento de informações de sistemas de inteligência e de forças de repressão.

A operação, firmada na segunda metade da década de 1970, influenciou o início do período mais sanguinário da história argentina.

Em 1976, uma junta militar derrubou o governo de Isabelita Perón através de um Golpe de Estado. Com apoio majoritário da população e discursos de melhorias econômicas, o ditador Jorge Rafael Videla dizia estar realizando uma missão divina.

Sete anos se passaram. 

E o que antes era considerado inaceitável se tornou ainda pior. A dívida externa, que em 1976, era de US$ 8 bilhões subiu para US$ 45 bilhões. Já a inflação anual, foi de 182% para 343%. 

O número de desaparecidos cresciam a cada dia e o apoio ao regime ditatorial despencava.

Em 1982, com uma tentativa de reconquistar o apoio populacional e reacender o sentimento nacionalista, o governo argentino entrou na Guerra das Malvinas. Mas, a disputa de um território contra uma potência mundial como a Inglaterra não era tão fácil quanto parecia. 

Sem condições físicas e psicológicas, com pouco mais de dois meses e mais de 100 mortos, os soldados latino-americanos se renderam aos ingleses.

A partir de então, as manifestações contra o governo regente cresceram ainda mais.

Em 1983, por fim, a situação econômica, social e política tornou-se ainda mais insustentável e o período ditatorial encerrou-se com a eleição de Raúl Alfonsín.

Trauma e resistência:

“Pegavam pessoas e desapareciam com elas, o que é muito pior do que matá-las, porque os parentes procuram por essas pessoas até hoje. Não sabem de tudo o que aconteceu, como foi, e pior do que isso, sabem que sequestravam mulheres grávidas, esperavam parir, depois jogavam elas de um avião em algum rio e ficavam com os bebês.” relata Mônica Yanakiew, brasileira e correspondente internacional em Buenos Aires da EBC.

Segundo uma das primeiras comissões de verdade do mundo, a CONADEP (Comissão Nacional Sobre o Desaparecimento de Pessoas), cerca de 30 mil pessoas desapareceram durante os sete anos.

Grafite em homenagem aos desaparecidos na Ditadura Militar- Bairro La Boca em Buenos Aires. Foto: Letícia Tiossi.

Marcelo Larraquy, jornalista e historiador argentino, afirma que: “Dar por mortos como desaparecidos gerou a esperança de muitos familiares.” Larraquy também acredita que, o termo “desaparecidos”, criado pelos militares como estratégia jurídica, fez com que os argentinos lembrassem do que aconteceu no passado com maior trauma.

Na capital federal, o repúdio ao período militar mostra-se claro.

Além da conservação de centenas de centros de tortura, como a ESMA -maior centro de extermínio argentino- e Garage Azopardo, as pinturas e os nomes de assassinados estão sempre presentes nas ruas de Buenos Aires.

Sem dúvidas, o ano de 1977 também foi um marco para tamanha resistência do população até os dias de hoje.

Foto: Letícia Tiossi

No dia 30 de abril daquele ano, as mães que perderam suas filhas grávidas e seus netos, passaram a se manifestar na Plaza de Mayo reivindicando o aparecimento dos familiares e a prisão dos criminosos. 

Desde então, a marcha acontece todas as quintas-feiras na praça, em frente à sede do poder executivo -Casa Rosada- e tornou-se conhecida mundialmente.

Marcha das Madres da Plaza de Mayo. Foto: Letícia Tiossi

Até julho de 2019, dentre 500 netos, somente 130 foram encontrados.

Hoje, além das mães -que já têm em torno de 90 anos- participam também cidadãos em geral.

Cármen Arias (77), irmã de um dos bebês desaparecidos garante “Nós vamos seguir com a marcha e quando todas se forem, os jovens vão continuar, porque isso não vai terminar nunca. Quando viemos à Praça de Maio é como se estivéssemos com os nossos desaparecidos.»

Madres da Plaza de Mayo- Foto: Letícia Tiossi.

Como entender então a presença da população argentina em um desfile militar?

Ao longo do processo de independência do país, o sentimento nacionalista dos argentinos foi construído.

Foi no dia 9 de julho de 1816, após seis anos do início das revoluções pró emancipação, que a Argentina se reconheceu independente da coroa espanhola. Nessa época, a bandeira argentina se tornou um grande marco para o reconhecimento da nação. 

E, no dia 9 de julho de 2019, não poderia ser diferente. Casas, apartamentos e até automóveis expunham, através do tecido, a paixão pela pátria.

O desfile também contava com crianças. Foto: Letícia Tiossi

Naquela terça-feira, diversas atividades aconteciam nas principais avenidas de Buenos Aires. Entretanto, aquela com maior repercussão foi o desfile militar na Avenida Del Libertador, onde o atual presidente Maurício Macri estava presente.

O evento contou com o desfile de milhares de militares e espectadores. Estima-se mais de 3700 tropas, dentre elas, estava presente o Exército Argentino, com cerca de 1400 tropas. E, em 2016, a pesquisa do Instituto Ibarómetro apontou que 80,2% dos argentinos tinham «sentimentos negativos» em relação ao golpe de Estado de 1976.

Como entender uma nação que viveu o período ditatorial mais sanguinário da América do Sul, indo às ruas de Buenos Aires assistir ao desfile militar? 

Rafael, que preferiu não se identificar com o sobrenome e presencia o evento há décadas afirmou: “Se trata de um dia importante para todos, civis e militares. Um dia para não haver separação entre estes.”

A princípio, a situação pode soar contraditória. Mas, no dia 9 de julho, os militares representam a história do país.

Líderes que participaram do processo de independência do país foram homenageados e os soldados da Guerra das Malvinas relembrados.

Homenagem aos soldados da Guerra das Malvinas. Foto: Letícia Tiossi. 

A homenagem ao ocorrido de 1982 não representava uma adoração aos militares, mas sim aos que morreram na guerra. O objetivo era refletir sobre a quantidade de vidas perdidas devido ao desejo de distrair os cidadãos de problemas governamentais, enviando soldados jovens, cientes de que não haviam condições físicas e armamentistas para enfrentar os ingleses.

A crítica ultrapassa divisões do setor civil e militar e entra na questão humanitária.

Ainda que com discursos e gritos de «viva la pátria» e «Malvinas és nuestro», os argentinos mostram-se conscientes do terror dos sete anos e, mais uma vez, Marcelo Larraquy afirma: “Não acredito que há a possibilidade de um novo regime militar ou algo parecido. Na Argentina não há espaço para discursos assim.»

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *