Maia nega parentesco com Moreira Franco: “O ministro não é meu sogro. Ele é casado com a minha sogra”

FÁBIO BISPO, GABRIEL BOSA E HELENA CENEVIVA

DE BUENOS AIRES

Em seu segundo dia de agenda política em Buenos Aires, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), declarou lealdade ao presidente Michel Temer (PMDB) e rechaçou qualquer possibilidade de manobras para impedir que o processo contra o presidente seja debatido em plenário. “Meu partido e eu somos aliados do presidente Michel Temer, apesar de toda a crise, eu disse ao presidente do meu partido no primeiro dia da crise que se acontecesse alguma coisa o DEM deveria ser o último a desembarcar do governo”, pontuou.

O presidente integrou a mesa central do primeiro Fórum de Relações Internacionais e Diplomacia Parlamentar, ao lado de outros líderes do Legislativo de países da América Latina. Ao fim do encontro, Maia rebateu de que já haveria articulação entre o DEM e o PSDB para sucessão de Temer. “É especulação: quando se vive uma crise tão profunda como essa, cabe especulações de todo tipo. Tem algumas que li pela manhã que são muito criativas, mas com pouca informação. Uma delas é de que eu estaria usando a Súmula 13 do Supremo [que proíbe o nepotismo] para manter o ministro Moreira Franco. O ministro não é meu sogro. Ele é casado com a minha sogra”, declarou.

Maia se reuniu com lideranças políticas no país vizinho. Crédito: Fábio Bispo

Acompanhado dos deputados Benito Gama (PTB-BA), Heráclito Fortes (PSB-PI), Rubens Bueno (PPS-SP), Rogério Rosso (PSD-DF) e Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE), este último que já declarou voto a favor da abertura do processo contra temer, Maia negou que a viagem seria pretexto para frear as negociações em curso na Câmara dos Deputados. Para o Governo, é importante que o processo se encerre antes do recesso parlamentar, que se inicia no dia 18 de julho.

“Esse evento já estava marcado há 30 dias e não tem nada a ver uma coisa com a outra. Não é só o poder Executivo que deve manter relações diplomáticas”, defendeu.

O presidente da Câmara dos Deputados evitou falar da tramitação da denúncia contra Temer, garantindo que num possível acirramento da crise com o afastamento do presidente o DEM seria o último a desembarcar da base: “Eu sou presidente da câmara. Meu partido e eu somos aliados do presidente Michel Temer, apesar de toda a crise, e eu disse ao presidente do meu partido no primeiro dia da crise que se acontecesse alguma coisa o DEM deveria ser o último a desembarcar do governo”, afirmou.

Ainda na tarde de sexta-feira (07), Maia se reunirá com lideranças políticas argentinas. A agenda oficial de compromissos do presidente da Câmara será encerrada na noite de hoje (sexta, 7), com um jantar oferecido pelo Embaixador do Brasil em Buenos Aires. Maia retorna a Brasília na tarde de sábado (8).

FÁBIO BISPO, GABRIEL BOSA E HELENA CENEVIVA são jornalistas e participam do “Jornalismo sem Fronteiras”, que leva jornalistas e estudantes de comunicação e áreas correlatas a Buenos Aires para um mergulho de 10 dias no trabalho de correspondente internacional.

Related Posts


Corridas de drones crescem na Argentina com melhores pilotos do mundo

País vizinho ao Brasil investe no esporte há dois anos e pode ganhar em breve um espaço físico para treinos.

14.08.2017

MACRI: ETAPA OU TENDÊNCIA?

Cambiemos e a última dos K

17.07.2017

Comments


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *