skip to Main Content
Entre em contato: +55 11 95133-2600

Estranho no ninho

  • 18 de julho de 2018

Pela primeira vez em alguns dias fazia sol. A quem pensasse que estava calor, o clima alegre e o céu…

Tercer Cordón e os corresponsales barriales

  • 18 de julho de 2018

Em visita aos Corresponsales Barriales, correspondentes internacionais e locais se encontram para uma troca riquíssima. Corresponsales Barriales. Sua missão é…

Sem hora de acabar

  • 18 de julho de 2018

O 4° dia do VIII JSF não poderia ter sido diferente. Com programação extensa, o dia começava cedo e não…

Tendências, ESMA e Mundial

  • 17 de julho de 2018

O dia começou com uma charla sobre inovações no jornalismo com a Isabela Giantomaso. Que o jornalismo tem mudado –…

Jornalismo do futuro

  • 17 de julho de 2018

Com atualidades, visita ao La Nación e jornalismo móvel, os participantes tiveram um gosto do que são os longos dias…

Um novo – e frio – começo

  • 17 de julho de 2018

No primeiro dia do VIII Jornalismo Sem Fronteiras, os participantes se conheceram, realizaram atividades juntos e conversaram com a jornalista Monica Yanakiew.

O frio era incomum para quem chegava dos 25°C paulistas. Vento gelado, tempo nublado e vários casacos sobrepostos. A sensação era boa, de coisa nova, de chegada ao desconhecido. Gente que vinha de São Paulo, de Florianópolis, da Bahia, e outros cantos do Brasil se reunia em uma sala grande de reuniões junto de argentinos que chegavam aos poucos.

Naquele fim de tarde de quarta-feira julina, havia 16 jornalistas reunidos para o VIII Jornalismo Sem Fronteiras, aqui em Buenos Aires. Era a primeira vez que o programa trazia tantos periodistas locales e a curiosidade pairava tanto do lado dos argentinos quanto do lado dos brasileiros. A primeira atividade foi, justamente, para acabar com isso: todos escreveram em um papel duas características suas que poderiam agregar ao grupo e dois traços que poderiam ser desenvolvidos.

Então, quebrado o gelo inicial, e estabelecidas algumas relações, se juntaram em grupos para pensarem juntos no papel de um correspondente internacional. Afinal, teria reflexão mais importante a se fazer para dar o pontapé inicial do curso?

E por aqui, como as conversas não demoram a começar, o grupo recebeu Monica Yanakiew, jornalista americana que cresceu no Brasil e que, hoje, vive em Buenos Aires como correspondente da EBC, Empresa Brasileira de Comunicação. Desde 2011, mora no país, embora já tenha trabalhado aqui como correspondente em outros momentos.

Monica Yanakiew é correspondente internacional há anos. Mora em Buenos Aires há quase dez anos, embora já tenha vivido e trabalhado por lá em outros momentos. Foto: Jornalismo Sem Fronteiras

Monica é um baú de histórias. Especialista em cobrir conflitos, testemunhou a Revolução Sandinista (1979-1990), na Nicarágua, e a invasão do Kuwait, em 1990, por exemplo. Falou sobre episódios que aconteceram em sua carreira, todos dignos de algum filme de aventura, e explicou: “eu gosto das histórias por trás das histórias”.

Toque de recolher

  • 12 de julho de 2017

Tradição do sino é sinal de reunião de pauta na redação do La Nación. Para chegar no jornal tivemos que…