skip to Main Content
Entre em contato: +55 11 95133-2600
Corridas De Drones Crescem Na Argentina Com Melhores Pilotos Do Mundo

Corridas de drones crescem na Argentina com melhores pilotos do mundo

País vizinho ao Brasil investe no esporte há dois anos e pode ganhar em breve um
espaço físico para treinos.


ISABELA GIATOMASO

DE BUENOS AIRES

As corridas de drone são realidade cada vez mais presente na Argentina. Considerado o esporte do futuro, a modalidade, que começou principalmente nos Estados Unidos e já teve testes onde o controle era a mente humana , chegou ao país vizinho do Brasil em 2015 e a cada ano tem conquistado mais pilotos e entusiastas, alguns inclusive já classificados entre os melhores profissionais do mundo.

Com cenários dignos de filmes e videogames, há quem diga que as corridas com os quadricópteros podem chegar um dia ao nível das famosas disputas de Fórmula 1.

Além de precisar ser estratégico com quais peças usar para passar mais rápido pelos obstáculos, um sistema inteligente permite acompanhar os drones ao vivo a 180 km/h durante as competições com o auxílio de óculos de realidade virtual, ou telas separadas, em FPV (Visão em Primeira Pessoa).

Corrida de drones fazem sucesso na Argentina e já tem pilotos entre melhores do mundo (Foto: Isabela Giantomaso)

Na Argentina, a principal equipe à frente das corridas é a E6a Team, da capital Buenos Aires. Com onze pilotos, o grupo tem dois representantes no ranking dos dez melhores da IDRA (Associação Internacional de Drone Racing). Um deles, Gustavo Iglesias, costuma treinar em um clube aos finais de semana e, profissional da área de telecomunicações, foi atraído pelas competições com drones ao assistir uma disputa pelo YouTube.

 

“Era um vídeo com o título “estilo Star Wars”, em um bosque na França. Quando eu vi aquilo pensei “que alucinante”. Comecei a pesquisar e comprei meu primeiro drone, um pequeno, na China”, lembra Gustavo, que afirma que não tinha conhecimentos técnicos e foi avançando as habilidades com dicas online.

 


A próxima Fórmula 1?

Além do glamour dos circuitos argentinos com luzes de LED, as corridas de drone passaram a chamar a atenção pela possibilidade, assim como na Fórmula 1 e nos videogames, de conferir toda a competição em primeira pessoa, como se estivesse dentro do quadricóptero. Auxiliado por câmeras analógicas para evitar o delay e reforçar a segurança, os dispositivos transmitem ao vivo tudo o que veem pela frente. As imagens podem ser conferidas em um óculos de realidade virtual, no formato do Gear VR e do Oculus Rift, ou em uma tela separada. As opções expandem ainda mais as possibilidade das competições para as redes sociais ou para a TV, como já é feito hoje por alguns canais norte-americanos.

Espectadores podem acompanhar corridas com imagens FPV em óculos VR ou telas separadas (Foto: Isabela Giantomaso)

No lado técnico, o piloto Gustavo Iglesias explica que a estratégia também se assemelha com a Fórmula 1 ao precisar decidir quais peças vai utilizar em cada disputa. “Posso usar hélice de três ou dois, com cinco ou seis polegadas. As baterias também podem influenciar no peso e na velocidade. Tem que pensar como você vai correr, assim como na Fórmula 1”, indica Gustavo ao comparar as personalizações de um drone com os pneus e motores de carros de corrida.

Além das curvas, como nas disputadas de automóveis, as corridas de drones também possuem obstáculos ao longo dos circuitos. Estes podem ser arcos, balões em forma de triângulo, ou até mesmo a “Torre de la Muerte”, um tubo transparente para o drone passar pela vertical.

Segundo Diego Solasanto, um dos fundadores da Drone Racing BA, responsável por organizar as três competições que já aconteceram na Argentina e as classificações para o campeonato da América Latina, que acontece em novembro na Colômbia, há regras para seguir, mas os obstáculos não são fixos em todas as competições. “É permitido ser criativo. Existe um regulamento, mas temos a liberdade para improvisar nos circuitos de provas”, afirma.


Incentivos


Argentina pode ser um dos primeiros países a receber pista de treinos para drones
(Foto: Isabela Giantomaso)

Antes da criação da Drone Racing BA para organizar as competições, havia uma dificuldade dos pilotos chegarem aos campeonatos e se classificarem no ranking mundial. Agora, no entanto, o impasse é a área de treinamento dos profissionais, que deve seguir as regras, semelhantes às do Brasil, para voar.

Para resolver a questão, a Argentina está próxima de ser um dos primeiros países a ter um espaço físico para corridas de drones. Semelhantes às pistas de kart, o local deve nascer em breve em um clube de Buenos Aires e poderá ser a opção para que os competidores se preparem para as disputas.

“Assim qualquer um vai poder se filiar e treinar em um espaço destinado exclusivamente para a corrida de drones ou acrobacias”, conta Diego, que ressalta a importância do espaço por conta do crescimento da categoria. Hoje, na Argentina, são quase 100 pilotos e pelo menos seis equipes formadas em todo o país. Importação

Diferente dos populares drones da DJI, como a linha Phantom ou o Mavic Pro, os quadricópteros utilizados nas corridas são personalizados para uso profissional, o que exige peças específicas. Como nem tudo são flores, este é exatamente um dos poucos bloqueios na Argentina para o crescimento do esporte.

Peças para drones profissionais precisam ser compradas em dólar já que não há fabricantes nacionais.
(Foto: Isabela Giantomaso)

No país, não há fabricantes nacionais de drones, e muito menos empresas que fazem peças para modelos profissionais. Assim, a maioria dos pilotos precisa importar baterias, hélices e chassis dos Estados Unidos ou da China. As compras são pagas em dólar, o que aumenta o custo da modalidade. Além disso, quando feitas online, podem demorar semanas para chegar, atrasando quem precisa treinar e competir.


E o Brasil?

Em território nacional as corridas de drones têm caminhado a passos curtos. Em fevereiro de 2017 aconteceu na Campus Party, em São Paulo, o primeiro campeonato brasileiro com os quadricópteros. Além disso, neste ano também foi lançada, em junho, a Associação Brasileira de Competições de Drone para regulamentar a prática do esporte no país.

Segundo a Associação, hoje o Brasil tem cerca de 150 pilotos de corrida, entre eles Rafael Paiva. Conhecido como “Spook”, ele é o único brasileiro na Drone Racing League, liga americana de corridas de drones e é o atual campeão nacional da modalidade.


Leia Mais:


Descubra 10 mitos e verdades sobre o uso de drones


Como comprar um drone ideal para crianças; veja dicas


Vale a pena comprar o drone Phantom 4? Veja prós e contras


Isabela Giantomaso é jornalista e participa do “Jornalismo Sem Fronteiras”, que leva jornalistas e estudantes de comunicação e áreas correlatas a Buenos Aires para um mergulho de 10 dias no trabalho de correspondente internacional.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *