A imersão na experiência de jantar no Botín transporta o comensal para outros mundos

ISABELA MORENO
DE MADRI

Entrar no Restaurante Botín é ser transportado para uma época distante e pouco vista em outros lugares. Ao abrir a porta do estabelecimento, um ar quente toma conta do visitante, junto com o aroma de comida cozida lentamente, daqueles que se sente em um almoço de família na casa dos avós. Na Madrid do século XVI, a região que rodeia a Praça Maior era repleta de pequenas tabernas que também ofereciam aos clientes o serviço de pousada. Pela região, passavam mercadores e artesãos que iam à cidade vender seus produtos e fazer negócios, o que estimulava a existência de estabelecimentos do mesmo tipo.

Image: 0089922133, License: Rights managed, Restaurant "Sobrino de Botin" in Madrid. The oldest restaurant in the world as Record Guinness book, Place: ,, Model Release: No or not aplicable, Credit line: ., Teresa
Interior da antiga adega do restaurante. Foto divulgação Jurnal.MD

O Restaurante Botín foi fundado quase trezentos anos atrás, em 1725, como um local de alimentação e hospedagem. Atualmente, detém o posto de restaurante mais antigo do mundo de acordo com o Guinness World Records. O prédio está localizado na Rua Cuchilleros, assim nomeada pela existência de muitos fabricantes de colheres na área. Documentos indicam que o local já funcionava como uma taberna ao final do século XVI, reformada em meados de 1590 para a aparência que conhecemos hoje e se transformando em apenas restaurante em 1860, quando os quartos foram transformados em apartamentos.

Uma estreita escada de madeira leva para a antiga área de adega, hoje ocupada com mesas. É impossível não pensar em Edgar Allan Poe com o teto baixo e todo coberto de tijolos à vista e baixa luminosidade, impressão que se reforça quando você desce para a adega de fato,  fria e cheia de garrafas antigas e mofadas. A sensação de poder ser enterrado na parede só se esvai quando chega a cesta de pães, mas o encantamento permanece.

A escolha do cardápio pode ser uma aventura. Bem estruturado, tem elementos chave da gastronomia espanhola, com jamon cru, morcilla, as famosas croquetas e o conchinillo assado (leitão assado em temperatura constante, por várias horas seguidas), carro chefe da casa.

16110530_1355814857826885_6174131469296861184_n(1)
Lagostins na chapa. Foto por: Isabela Moreno

Para alegrar a noite, um grupo de estudantes de música se apresenta, cantando animadamente enquanto usam roupas típicas de toureiro, transportando os presentes para as histórias dos grandes profissionais da tourada. Outra atração do restaurante é o forno, também feito de tijolos e original de sua inauguração.

Na hora da saída, o gerente cuidadosamente avisa para que se vistam os casacos e tomem cuidado com o frio. O aviso, no entanto, deveria ser que a realidade está ali do outro lado da porta, ao contrário dos personagens de Poe.

 

Isabela Moreno é jornalista e participa do programa “Jornalismo Sem Fronteiras”, que leva jornalistas e estudantes de comunicação a Madri para uma imersão de uma semana na cobertura como correspondentes internacionais.

 

Related Posts


Como fotojornalistas podem se proteger em ambientes de risco

Onde quer que trabalhem, fotojornalistas tendem a se destacar. O equipamento que usam faz com que sejam fáceis de detectar em uma multidão. As imagens que produzem também chamam atenção e, em alguns casos, podem ser um perigo. Centenas de profissionais da mídia são forçados a fugir de sua pátria para evitar intimidação, tortura ou prisão por […]

17.08.2017

Por que jornalistas precisam de conhecimentos básicos de programação mais do que nunca

Saber como usar dados para reportar histórias continua sendo uma habilidade em demanda para jornalistas em todo o mundo, disseram especialistas no 12º Congresso de Jornalismo de Investigação da Abraji. O evento contou com mais de 10 oficinas, painéis e palestras sobre os últimos desenvolvimentos no jornalismo de dados, bem como muitos conselhos para aqueles que estão […]

10.08.2017

Quando crowdfunding não alcança seu objetivo, descubra o porquê: Lições da Venezuela

Este é o quarto artigo de uma série da SembraMedia sobre como os sites de notícias independentes podem alcançar estabilidade financeira. Veja a primeira parte, a segunda parte e a terceira parte.    Na Venezuela, um “cocuyo” é um inseto semelhante ao vagalume. Um cocuyo solitário não libera muita luz, mas quando centenas ou milhares se agrupam, liberam luz suficiente para iluminar […]

08.08.2017

Comments


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *